quinta-feira, 21 de agosto de 2014

A mulher de 50 anos

Um dia desses encontrei um antigo conhecido e sua esposa. Conversamos por alguns minutos e eles foram embora. Algumas pessoas que estavam comigo não paravam de falar o quanto a mulher havia envelhecido e engordado. Não paravam de falar sobre o quanto ela estava feia.

Na verdade, a mulher estava ótima. Cabelo bem cuidado, joias bonitas, um olhar alegre e divertido e roupas elegantes. Uma mulher de 50 e poucos anos muito linda e elegante. O que me incomodou bastante foi que ninguém falou do homem. Ele estava calvo. Os poucos fios que restaram, estavam esbranquiçados. Estava bem gordo também. Mas ninguém comentou a aparência dele. Comentaram apenas a aparência dela e exigiram dela uma aparência jovial que é impossível.

Na minha opinião, é extremamente grosseiro comentar sobre a aparência dos outros dessa forma. Além de grosseiro, é superficial: coisa de quem só enxerga o que está por cima, não procura saber por exemplo como anda a vida das pessoas, o que elas andam fazendo, quais as novidades, etc. Só que aparentemente, em nossa sociedade que supervaloriza a juventude e a 'beleza', é aceitável falar da aparência das mulheres.

Eu sou relativamente jovem e em diversos encontros familiares falam sobre meu peso. Falam que engordei ou emagreci, mesmo que o ponteiro da balança não digam nada disso. Ponteiros de balanças não dizem nada. Ninguém pergunta quantos livros li, o que ando fazendo, como está o trabalho, se ainda continuo escrevendo, sobre os artesanatos que ando fazendo, sobre minha pequena horta, sei lá, ninguém pergunta sobre outra coisa que não é relacionada a aparência. Ninguém pergunta sobre as coisas que gosto, que me esforço para fazer bem e que me fazem feliz. O ponteiro da balança acaba sendo o assunto principal, mostrando o mundo superficial que vivemos.

Outro dia li um texto de um blog de uma moça gorda. Faz muito tempo, então não lembro exatamente qual texto foi. Lembro que no texto ela dizia que acha imbecil quando alguém chega para ela e diz, como observação imbecil ou com o intuito de ofender, que ela é gorda. Ora, óbvio que ela é gorda. Todo mundo podia ver isso. E ela lamentava que as pessoas fossem tão superficiaise encarassem esse fato como algo horrível sobre ela.

Eu lamento isso também. Lamento que não viram na mulher que menciono no início do post uma mulher bonita, agradável e muito divertida. Muito orgulhosa de seus filhos e da futura netinha que está para nascer. A superficialidade faz com que as pessoas deixem de ver a verdadeira beleza, o brilho da vida. Talvez tenha muita gente que se ache infeliz, que ache que o mundo é feio e que nada está bom. Talvez essas pessoas estejam enxergando só a superfície.