quinta-feira, 15 de maio de 2014

O rebuliço causado pelas declarações de Ney Matogrosso

Ney Matogrosso, aclamado cantor brasileiro, deu uma recente entrevista para a RTP, emissora portuguesa. Suas declarações logo se transformaram numa espécie de viral pelo Facebook. O pessoal da direita, interpretou suas declarações de uma maneira. Já o pessoal da esquerda, interpretou de outra maneira.  Veja o vídeo no link abaixo.


Eu li críticas positivas e negativas dos dois lados (esquerda e direita). Eu pessoalmente formei minha opinião, que no cenário atual brasileiro pode deixar os dois lados de cabelo em pé.

Em primeiro lugar, fiquei surpresa ao ver uma celebridade aclamada falando mal do Brasil. E ele não reclamou, simplesmente. Ele foi crítico, contundente. Ney Matogrosso surpreendeu o entrevistador, que talvez esperasse um artista com uma visão totalmente positiva do Brasil. Em alguns momentos da reclação, Ney demonstrou um pouco de desconhecimento (com relação ao programa Bolsa Família, por exemplo). Mas ele não repetiu o discurso inflamado de alguns integrantes da classe média burra, que diz que as bolsas "sustentam vagabundos". Alguns integrantes burros e sem empatia (e sem noção de seu privilégio) da classe média acham que "sustentam o Brasil" e mal consideram os beneficiários do Bolsa Família como seres humanos. Para essa gente, ser humano só quem é "igual a ele".

Ney disse que as bolsas deixaram as pessoas menos miseráveis, é verdade. Mas até quando? Onde está o prometido desenvolvimento? As pessoas querem estudar, querem trabalhar e querem ter as mesmas oportunidades que temos nas grandes cidades, principalmente da Região Sul e da Região Sudeste.

Não, não estou defendendo a meritocracia. Apenas observo que um pobre do sertão tem bem menos oportunidades que um pobre de São Paulo. Tanto que o pobre do sertão vem para São Paulo tentar a vida. Muitos, infelizmente, ficam pulando de subemprego em subemprego, sem nenhuma expectativa de melhoria de vida. Além disso, sofrem preconceito quando chegam a capital paulista. Menciono especificamente São Paulo porque cresci aqui. E sou filha de nordestina. Meu tio-avô veio para São Paulo na década de 70. Aqui conseguiu fazer a vida: montou uma lanchonete nas proximidades do Terminal da Luz. Conseguiu construir uma boa casa e dar uma boa qualidade de vida para seus filhos. Meu avô veio em seguida, trazendo esposa, 8 filhos e 1 neta. Ele montou um pequeno comércio também, com menos sucesso que seu irmão. A vida nunca foi fácil, mas eu sei que meu avô e seu irmão são minoria. A maioria das pessoas que vem pra cá são realmente muito pobres e viviam em situação de miséria em suas cidades de origem.

Cadê o desenvolvimento? Onde estão as indústrias nas regiões Norte e Nordeste? Onde está a infra-estrutura? As bolsas tem cumprido um excelente papel na vida das pessoas em situações de vulnerabilidade socioeconômica. Mas apenas as bolsas? Onde está todo o resto que foi prometido? As pessoas não aguentam mais esperar.

Eu percebo que na internet há algumas pessoas de esquerda que são muito românticas com relação ao PT. O PT é um partido cheio de problemas, envolvido em diversos escândalos horríveis de corrupção. O ex-presidente Lula e a presidenta Dilma fizeram boas coisas pelo país, claro. A redução na miséria foi uma delas. Mas até que ponto essa redução não é sintética? Onde está a produção? Onde está o investimento?

Fico apavorada quando vejo petistas fervorosos que não suportam nenhuma crítica com relação ao partido. Mas também fico apavorada quando vejo comentaristas de direita, atribuindo qualquer mazela ao que eles chamam de "petralhas", "criminosos do PT", etc. Eu sinto falta de uma discussão saudável sobre política. Uma discussão em que prós e contras são levantados. Uma discussão em que pessoas com um bom lastro intelectual e sem grandes paixões participem. Por que o que vejo, são propagações de burrice por parte de "defensores do PT" e por parte de "comentaristas de direita". A questão toda chegou em um nível tão absurdo que quando digo que sou de esquerda, as pessoas logo pensam "olha, ela ama o PT". Poxa, não é por aí não.

Acho que tem muita gente aí que não sabe direito o que é esquerda ou direita. E fica compartilhando bobagens. Eu tenho uns parentes que se dizem de direita. Não são ricos. E não consigo entender pobre brasileiro de direita. O cara mora na periferia da periferia e se diz de direita. Dia desses, um primo compartilhou uma imagem que comparava o Nazismo ao Stalinismo. Dizia que o Stalinismo matou muito mais e que logo, o comunismo era ruim e que logo, o PT era ruim. E desde quando PT é comunismo? E desde quando o comunismo realmente funcionou em algum lugar do planeta? Faltam muitas aulas de história. Falta leitura. 

O Ney Matogrosso mostrou uma postura até certo ponto equilibrada. E ele ganhou toda minha simpatia quando falou da violência policial e mencionou o caso Amarildo. Ganhou todos os pontos quando disse que a polícia é autoritária. Esse é um problema muito sério, uma necessidade urgente de mudança na estrutura da polícia militar. Uma necessidade de desmilitarização. Infelizmente, muita gente não vê dessa forma. Acha que a polícia tem que "matar vagabundo". E alguém no twitter mencionou essa semana que "fracassamos como sociedade, uma vez que criticaram a ação da PM num recente sequestro de um ônibus". Ah sim, para que não está a par: a PM negociou com o sequestrador e libertou os 3 reféns. Todos ficaram bem, ninguém se feriu. E eu só ouvi pessoas falando que o sequestrador tinha que morrer. Inclusive apresentadores de TV não paravam de falar em atirador de elite. 

É, estamos fracassando muito. Algo precisa ser feito.

Já que estamos falando em Ney Matogrosso, deixo uma linda performance dele:


Rompi tratados, traí os ritos.

Na minha opinião, o melhor performer do Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário