segunda-feira, 14 de abril de 2014

É ciência ou picaretagem?

Hoje em dia as pessoas se utilizam de argumentos "científicos" para justificar as piores barbaridades. É comum ouvir as palavras: "não sou eu que to falando, é o que diz este artigo" ou "veja este depoimento de um Doutor em... [insira aqui a área do conhecimento da qual você deseja debochar]". Acontece que artigo furado e doutor picareta são mais comuns do que se pensa. Mas como diferenciar ciência de picaretagem?

Primeiro, só porque um artigo foi publicado em uma revista científica não significa que aquele artigo é uma verdade absoluta. Para que uma informação seja considerada como verdadeira pela ciência é preciso que vários artigos com resultados semelhantes e complementares sejam publicados por vários autores diferentes em revistas científicas sérias. Segundo, é preciso que a comunidade científica seja convencida de que aquele grupo de artigos realmente amplia o nosso conhecimento. Terceiro, aqueles artigos devem ser a base para novos trabalhos científicos e, portanto, estes artigos recebem muitas citações em outros artigos. Por último, a ciência esta em constante evolução, portanto artigos muitos antigos muitas vezes estão desatualizados. Então, quando alguém tentar te convencer de algo usando um artigo científico, faça uma busca na internet por 5 minutos. Um artigo publicado em 1950 que nunca foi mencionado em nenhum outro artigo científico talvez não seja uma fonte segura...

Mas muitos "pesquisadores" dão entrevistas polêmicas para TV e jornais e justificam a falta evidência científica em conspirações internacionais e até “perseguições” pessoais. Então deixa eu te explicar como o processo de publicação funciona.

Você desenvolve sua pesquisa e escreve um documento chamado manuscrito. Este documento contém 1) uma breve revisão bibliográfica do estado da arte do conhecimento naquela área do conhecimento. Ou seja, o que já sabemos sobre o tema. 2) uma descrição detalhada do procedimento utilizados no desenvolvimento da nova pesquisa. Ou seja, a forma como a pesquisa foi realizada. E finalmente 3) os resultados encontrados. Ou seja, as novas descobertas científicas. Este documento é então submetido para publicação em uma revista científica e passa por um longo processo de revisão. O editor da revista vai encaminhar o seu trabalho para dois ou três especialistas no tópico da pesquisa. Depois de algum tempo você recebe o seu documento de volta com comentários (ex: sugestões, críticas e perguntas). Se você for capaz de responder satisfatoriamente aos comentários dos revisores, você tem sua pesquisa publicada.

Se você não responder os comentários satisfatoriamente, seu manuscrito é rejeitado, obviamente. Mas aqui está a chave da questão. Se o seu manuscrito for rejeitado você ainda terá a documentação do processo. O manuscrito, os comentários dos revisores e uma carta do editor da revista científica. Então, basta que os "perseguidos" mostrem estes documentos para provar que estão sendo perseguidos.

Hoje em dia com as redes sociais seria muito fácil divulgar estas informações. Por que então os "perseguidos" não se organizam e não denunciam estes abusos? Eu te digo porque. Em primeiro lugar não existe evidência científica para suas afirmações polêmicas. Em segundo lugar não existe um manuscrito tentando provar tais afirmações. E por último, existe um interesse pessoal por trás destas afirmações.

Claro, o sistema não é perfeito, até porque é um sistema criado por humanos. Mas é um sistemo muito bom. Mesmo que sua pesquisa não seja aceita na revista X, voce pode sempre melhorá-la e submetê-la para revista Y ou Z. Se o trabalho tiver algum valor científico, em algum lugar ele será publicado. Eu te garanto. Mas perceba que se um resultado é sólido, não tem como governos ou empresas privadas manipularem os resultados para seus próprios interesses. Porque mesmo que um governo ou uma empresa tenha tanta influência assim em um determinado país ou grupo de países, nada impede que o mesmo resultado seja encontrado por pesquisadores no Vietnã, ou na Alemanha, ou na Africa do Sul, ou no México, etc... Portanto, se você quiser acreditar que governos do mundo todo conspiram para criar uma "farsa" chamada mudanças climáticas, o azar é seu. Mas em uma época em que tantos governos mal conseguem entrar em acordo a respeito de linhas imaginárias dividindo territórios, basta um pouco de lógica para perceber que essa teoria da conspiração é furada.

Foto de um cientista que afirma que as mudanças climáticas são uma farsa.

Agora, existe uma ressalva. Empresas, governos e organizações variadas conseguem sim manipular a forma como a informacão cientifica é dissiminada para a populção. É aí que entra o verdadeiro poder da desonestidade intelectual. É por isso que parte da população ainda acredita que existe um debate entre os cientistas a respeito das mudanças climáticas. Não existe debate, as mudanças climáticas são reais e a culpa é nossa. Já passou da hora de encarar a realidade!

Nenhum comentário:

Postar um comentário